T-Shaped: entenda o conceito e saiba como se tornar este profissional

abr 18, 2018

IBEC

Carreira

0

T-Shaped: entenda o conceito e saiba como se tornar este profissional

Atualmente, o mercado de trabalho busca profissionais adequados ao perfil T-Shaped de atuação. Devido a isso, o objetivo deste artigo é esclarecer a definição desse modelo e a necessidade do envolvimento com outras áreas além da que você atua.

Continue a leitura e saiba por que a obtenção de conhecimentos diversos contribui para o crescimento do profissional, possibilitando mais inovação e possíveis promoções dentro da empresa na qual você é colaborador. Acompanhe!

Perfil T e perfil I

É inegável que estamos vivendo uma revolução no que diz respeito às formas de comunicação e relacionamento.

Por incrível que pareça, a tecnologia acabou estreitando os laços entre as pessoas, principalmente com a chegada e popularização das redes sociais. Isso contraria o que muito se falou sobre a possibilidade de ela afastar e tornar os relacionamentos frios e mecanizados.

Esse novo cenário, em conjunto com a transformação na forma de se relacionar, também teve seus reflexos no mundo corporativo.

O mercado de trabalho atual exige que o profissional tenha capacidade criativa e de inovação, se relacione bem com todos os envolvidos em uma organização ou projeto, seja observador e tenha coragem para testar novas soluções.

O conceito de profissional T-Shaped envolve a capacidade de ser especialista em um assunto, mas dominando também outras vertentes com base no conhecimento adquirido por meio de experiências e capacitações. Essa multidisciplinaridade agrega valor para uma organização.

Profissional T

Para que possa ficar claro o conceito T-Shaped — e a importância de ser um profissional capacitado para atender as demandas com criatividade, por meio de uma visão multidisciplinar —, imagine a letra T, composta por um eixo vertical e um horizontal:

  • vertical — domínio em uma área específica (Engenharia, por exemplo);
  • horizontal — habilidades em áreas que possam se relacionar com o ramo de atuação citado acima, como Marketing, Vendas e Design.

Sendo assim, é denominado especialista aquele que possui o entendimento no que compreende o núcleo vertical, e generalista no que engloba o horizontal. Para compor o T-Shaped, as duas capacidades precisam estar conectadas.

Profissional I

No que diz respeito à formação acadêmica, a maioria das instituições ainda trabalha com a geração de profissionais I. Esse perfil refere-se à construção de uma carreira focada somente em uma especialização, já na graduação.

No entanto, como citamos nos tópicos anteriores, o mercado de trabalho exige que o profissional lide com outras questões que não estão diretamente ligadas à grade curricular do curso escolhido. Em razão disso, faz-se necessário formar o T, agregando o perfil generalista ao especialista.

Crescimento profissional

Sabemos que a virada de século trouxe avanços em tecnologia e inteligência artificial. Contudo, as chamadas “habilidades do futuro” são essenciais às organizações que desejam obter bons resultados para a marca. Esses saberes são definidos por ações que somente um ser humano pode desempenhar.

Ou seja, mesmo que as evoluções tecnológicas estejam dominando o mundo mercadológico, é imprescindível que as empresas contem com indivíduos capazes de executar tarefas com criatividade, pensamento crítico e conhecimento cultural.

Não só o termo como o conceito T-Shaped está intimamente ligado à inovação, e não diz respeito somente ao maquinário e robótica. Empresas inovadoras precisam de profissionais com esses perfis para fomentar o seu desenvolvimento e obter resultados cada vez melhores.

Por isso, para quem almeja crescimento profissional, essas habilidades que compõem o perfil T são essenciais, já que atuam como agentes fundamentais para o aperfeiçoamento, além de representarem um diferencial de extrema relevância na hora de contratar ou promover um colaborador.

Engenheiro multidisciplinar

Quando se trata da área de Engenharia, é importante saber que grandes empresas já estão optando por profissionais com o perfil T-Shaped para preencher suas vagas.

Um engenheiro multidisciplinar é, basicamente, um profissional dinâmico que integra a tecnologia e criatividade para a inovação do serviço. Foi-se o tempo em que o indivíduo que resolvia ingressar na área saía da graduação e ia direto para uma mesa, a fim de se dedicar apenas a cálculos, projetos e ferramentas tecnológicas.

Hoje, mudanças mercadológicas trouxeram um caráter tão diversificado para a especialidade que departamentos financeiros, atuarial, TI e até de marketing estão interessados em colaboradores com uma formação menos provável para esses setores, como Engenharia de Produção.

Muitas empresas estão cientes e convencidas de que, para garantir uma vantagem competitiva sobre a concorrência, não devem limitar seus investimentos apenas ao maquinário. E esse comportamento também está presente na área de Engenharia.

No início do texto, citamos que a maioria das instituições de ensino superior ainda foca em formar profissionais I, mas algumas faculdades de Engenharia já estão trabalhando para que a grade curricular contemple uma formação multifacetada.

Há, inclusive, uma demanda para a criação de mais uma vertente da Engenharia, que contemple o conceito multidisciplinar ainda na graduação. Ou seja, o profissional que não estiver interessado em construir o perfil T vai ficar para trás.

Gestão do conhecimento pessoal

Engana-se quem pensa que o caminho para ser um profissional T-Shaped está exclusivamente na graduação. É necessário gerir o conhecimento e as habilidades pessoais para alcançar uma multidisciplinaridade de excelência, que englobe:

  • perfil empreendedor e de liderança;
  • criatividade e inovação;
  • resiliência;
  • desenvoltura na hora de fazer uma negociação;
  • facilidade na resolução de problemas;
  • inglês fluente;
  • boa comunicação escrita e oral;
  • noções de cultura geral e política;
  • domínio de informática;
  • ética;
  • bom relacionamento interpessoal, entre outros.

Por mais que a instituição de ensino superior escolhida tenha um currículo dinâmico e um projeto pedagógico que englobe um conjunto de atividades diferenciadas, todo profissional precisa estar interessado no desenvolvimento das próprias competências.

Isso pode ser feito por meio de cursos de extensão, MBA, especializações e cursos técnicos. Quando falamos de aptidões pessoais, o autoconhecimento pode ser trabalhado com o auxílio de recursos como leitura, filmes, palestras e reflexões.

Portanto, invista em conhecimento teórico, mas evite desperdiçar as oportunidades de aprender com os outros colaboradores da empresa.

Um indivíduo com o perfil T-Shaped deve estar plenamente capacitado para receber novas informações no seu dia a dia e para transformá-las em competências gerais.

Se você gostou de saber um pouco mais sobre esse novo conceito para construir sua carreira, assine agora a nossa newsletter e receba outros conteúdos exclusivos que vão ajudar você a crescer profissionalmente! Até breve!

Comentários
Post by IBEC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *